| RESENHA | Meu Nome é Albert!: Uma História Sobre Bullying - Ronaldo Viana S.

by - 05 março


Albert é um garoto de 11 anos que mora em Humsum na Alemanha, inteligente e super amoroso, mas tem um porem, nos dias de ir a escola é sempre um tormento para ele, motivos, tem vários. Sua história se passa na década de 70, morando com os pais e mais dois irmãos. Um menino maravilhoso que nasceu com uma deficiência nas mãos e isso o fazia sofrer bastante com o bullying na escola e até mesmo dentro da própria casa com os irmãos que tinham vergonha da sua aparência.

Com relação a família de Albert era tudo muito complicado, seu pai trabalhava durante a noite em um bar no porto, e as horas que se encontrava em casa estava dormindo, e os poucos momentos que estava acordado não tinha contato com Albert pois ele estava para escola, raras as vezes que os dois se falavam e quando isso acontecia ele não se importava se Albert estava bem ou não. Bella a mãe era a única que se importava com ele e o defendia de todas as zombarias e falta de amor que ele tinha dos irmãos, o amando como ele merece ser amado. Com os irmãos a relação de Albert não era muito diferente do pai, nesse caso os irmãos eram presentes na vida dele porem não o defendiam como irmãos e o pior de tudo era que eles sentiam vergonha de Albert e ainda entravam na chacota diária da escola, a ida para escola era um dos piores momentos para Albert, ele ia na frente sozinho e os irmãos vinham atras com o grupo de amigos, motivo, todos eles zombavam o Albert por causa das suas mãos.

Na sala de aula um grupo de meninos que era comandado por Charles um garoto mal educado e que tinha seus pais para defender as suas birrinhas da escola, e ele se favorecia pelo fato de seus pais serem os mais ricos da sua cidade e os professores nunca o contrariavam, fazendo Albert levar tapas e ser xingado de vários apelidos e entre outras coisas, ainda tinha a professora Magda que se metia no meio das chacotas.

Na vida Albert tinha apenas um amigo que era chamado de Kurt, ninguém conhecia e nem nunca tinha visto o tal amigo dele, os dois se encontravam todas as manhãs de baixo de uma arvore no jardim da casa de Albert, sua mãe ficava intrigada pois toda vez que olhava para o jardim via Albert conversando e fazendo gestos com alguém porem nunca viu ninguém com seu filho, isso se repetia todos os dias e logo seus irmãos começaram a chamar ele de doido.

Em uma tarde quando Albert chegou da escola muito triste, sua mãe foi ver o que tinha acontecido e foi quando ele disse que estava cansado de ser zombado por seus agressores e sua mãe tratou de tomar providencias indo na escola e participando tudo o que vinha acontecendo com seu filho. Ajudou e atrapalhou a vida de Albert, Charles por sua vez foi chamado atenção por sua mãe e o menino ficou ainda mais furioso com Albert e falando para si mesmo que ia se vingar.

No dia seguinte depois da aula quando Albert vinha caminhando para casa foi pego de surpresa pelo grupo de Charles e apanhou ate ser carregado para dentro de um mato e por fim ser jogado de uma ribanceira. O fim vou deixar vocês descobrirem sozinhos. rsrsr. Uma coisa que não comentei acima era que Albert pensava o tempo todo em fugir da sua cidade e deixar tudo para trás, o que será que aconteceu com ele depois desse trágico acidente.

Bem gente, minhas emoções com esse livro foram a flor da pele, senti de um tudo, de raiva até tristeza, querendo entrar nesse livro e pegar Albert no colo e fazer ele sentir e ver o quanto era especial, especial não por ter nascido com a deficiência em suas mãos mas sim por ser um garoto inteligente, amável, carinhoso e entre outros montes de virtudes, e querer se colocar no lugar dele para que ele não sinta tudo aquilo de ruim, queria ser a irmã que ele não teve, o irmão que ele queria para brincar, o pai que estaria presente quando ele se sentisse triste, queria ser para Albert a pessoa que ele precisava para defender ele de seus agressores. Fiz um comentário no meu insta a um tempo atras onde disse: a palavra chave é INDIFERENÇA, convivemos com "pessoas" que se acham melhores que outras e isso é o pior mal,temos que nos colocar no lugar um do outro para sentir o que a pessoa sente, e que palavras dependendo da forma como são ditas machucam, e machucam na alma onde fica muito mais difícil de esquecer. Eu não consigo entender a necessidade que a pessoa senti em ferir um ser humano que nunca fez nada para ela, que as pessoas não são culpadas por nascerem com algum tipo de deficiência, e que isso não é e nunca sera motivo de falar mal, xingar ou ate mesmo agredir as pessoas.

Muitas das vezes não acreditamos que essas coisas acontecem até acontecer com pessoas que conhecemos ou até com nos mesmos, estamos em um mundo totalmente globalizado e que a tecnologia está presente em qualquer lugar, você pode da um google e pesquisar sobre o Bullying e ver o quanto isso é corriqueiro, onde muitas das vezes as pessoas não são um Albert que apenas querem fugir da sua cidade por que não aguentam mais, e sim pessoas que cometem suicídio por não suportarem mais serem xingados ou agredidos.

Temos que amar mais o próximo independente da sua aparência, amar ao próximo assim como Deus nos amou. Temos que respeitar as pessoas do jeitinho que elas são para que podemos ser respeitados também, é amar, é dar carinho, um sorriso, um abraço tudo isso ajuda alguém que está passando por algum momento difícil na vida.
Pessoas são diferentes. Pessoas são únicas. Pessoas têm nome e, neste livro, o nome Albert poderia ser substituído por John, Dimitri, Sarah, Giulia, poderia até ser Kurt ou qualquer outro. Poderia ser o seu, poderia ser o meu.
Lendo este livro, é possível que você ria com Albert, que chore com ele. E é bem possível que você o ame. Talvez você se veja nesse garoto e queira entrar nas páginas desta obra e defendê-lo – ou defender-se – de seus agressores. Meu nome é Albert! é uma obra baseada em fatos reais. Nela o autor reviveu a própria história e a de milhares de pessoas ao redor do mundo, talvez até a sua. Uma história que é vivida por muitos, mas que não deveria pertencer a ninguém.
Ronaldo Viana S. tem 53 anos, é pastor batista, Teólogo, Historiador, Professor de História, Sociologia, Filosofia, História do Cristianismo e História de Israel. Pós-Graduado em Ciência da Religião e História da Igreja, exerce a docência em seminários batistas há quase vinte anos. È casado com Gicelda Ribeiro e tem um filho, Hil Ribeiro. Após ter sobrevivido a um grave acidente de carro, em 1999, pela graça de Deus, Ronaldo também tem se dedicado a contar boas histórias e a ajudar pessoas a superar seus limites e suas adversidades. Meu Nome é Albert! é seu sexto livro, sendo o segundo romance.

You May Also Like

1 comentários

  1. Oi, tudo bem?
    Não acredito que você fez isso comigo rsrs estava super empolgada, lendo a história até o menino ser jogado da ribanceira e eu fiquei aqui na curiosidade kkk gostei do marketing rs
    É sério brincadeiras à parte, eu realmente gostei da sua resenha e da história do livro, esse tema é muito importante para ser tratado e falado, acontece com muitas pessoas, jovens e adolescentes principalmente, não conhecia o livro.

    Te espero em meu blog!
    Beijinhos
    Blog | Facebook | Instagram

    ResponderExcluir