| RESENHA| Nicole - Ully Ketty

by - 05 fevereiro

Skoob – Avaliação: 5/5
A história: Nicole perdeu o pai muito cedo, e convive com a solidão desde que se conhece por gente. Negligenciada pela mãe, que aparentemente a detesta, ela foi criada em um internato e lá permaneceu até a idade de se formar.

No dia de sua formatura ela resolve dar, pela primeira vez, um grito de liberdade, e curtir a festa com as amigas. Nicole está perdidamente apaixonada pelo cara mais gato e descolado do pedaço, inocente e sonhadora, as cretinices de seu amado nem passam pela cabeça dela, até ser estuprada por ele.

Negando a si mesma o abuso, Nicole assume para si uma culpa que não lhe pertence, e isso a faz adoecer e definhar. Todos aos seu redor estranham a mudança drástica dela, até que um dia uma verdade torturante a encontra, Nicole está grávida de seu abusador.

Com muitos desafios no caminho a protagonista se resigna a cuidar da criança, mesmo que sua mãe seja contra. As amigas a ajudam a fugir e ela acaba trabalhando de governanta na casa de campo de um ricaço. Lá ela faz uma base para sua nova família, encontrando no dono da mansão amor e proteção, de um jeito que Nicole nunca tinha experimentado.

Personagens:


Nicole: É a protagonista, muito bem caracterizada, como uma garota que sempre morou em uma bolha, e foi negligenciada, era de se espantar que ela não se culpasse pelo abuso que sofreu. Amei Nicole e sua personalidade tão genuína e verdadeira. Consegui me importar com ela, com sua insegurança e o descobrimento do próprio corpo, do ser mulher.


Vivian e Alice: Secundárias de apoio, elas estão ali para garantir que a ação continue e que os problemas sejam solucionados, quase no final da narrativa Alice começa a receber seus primeiros conflitos, que é quando a autora cria o cliffhangger para o próximo livro da série. As duas amigas sempre leais e adoráveis tem personalidades diferentes, assim elas parecem reais e o leitor passa a se importar com as pequenas pistas que ambas deixam sobre suas próprias batalhas internas.

Cole: É o interesse amoroso da protagonista, começa a destravar os conflitos internos de Nicole a partir da metade da narrativa e é importantíssimo para o fechamento do arco que foi aberto tanto com a mãe de Nicole, quanto com o estupro da moça. É peça fundamental para o plot twist do final da história. Cole é um personagem que aparentemente é raso, bem como seu interesse em Nicole, mas a narrativa deixa para explicar tal comprometimento no final, o que é muito mais interessante, já que pega o leitor de surpresa, fazendo-o se sentir confortável com a história até mostrar que esteve errado durante várias páginas.

O que eu menos gostei: E tem? Acho que não. Eu fui tão surpreendida pelo final do livro e como o arco foi fechado que nem lembro se eu tinha alguma ressalva. O negócio é pular para próxima...


O que eu mais gostei: Agora sim, temos um plot twist e eu não vi essa vindo, hein. Dona Ully Ketty me pegou desprevenida. E foi o que eu mais gostei, estava tão convencida que sabia o final da história e quando percebi questões abertas durante toda a narrativa foram fechadas de uma maneira esplêndida. É sério, leiam e mantenham os olhos bem abertos, em Nicole, nada é o que parece.

E se antes mesmo que você nascesse alguém já tivesse decidido sua vida por você… como se comportar, como se vestir, sua profissão… tudo!

Regras. Criada em uma escola para moças. Peão de um jogo de pessoas poderosas. E se na noite da minha formatura eu resolvesse quebrar todas as regras? Só há um problema nisto tudo: as consequências desse meu DESEJO. Eu me chamo Nicole, sejam bem vindos a loucura que se tornou a minha vida.
Ully Kety, nasceu em 1992 no Rio de Janeiro - RJ e sempre teve a literatura como parte da infância e adolescência e daí veio o amor pela escrita. Seu primeiro romance "Nicole", foi publicado na plataforma Amazon, e com essa experiência, frisa a importância de ter começado a "Trilogia Nicole", onde aborda temas reais e nos mostra como não precisamos passar por um caminho tempestuoso sozinho.

You May Also Like

2 comentários